terça-feira, 24 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Agosto - Resenha

Não sei se foi só eu, mas desde o começo desse volume eu já sabia o que iria acontecer. Foi extremamente previsível.

Em agosto, Mia vai para o Texas fingir ser a irmã há muito desaparecida de Maxwell Cunningham, um cara alto, loiro, lindo de morrer (igual todos os outros), super simpático, casado, pai de dois filhos, rico, herdeiro de uma grande empresa de petróleo.

O pai de Maxwell morreu e deixou no testamento que apenas 51% da empresa seria dele. Os outros 49% devem ser dados para a irmã de Maxwell, uma irmã da qual ele nunca tinha ouvido falar e que tem a mesma data de nascimento que Mia e cujo nome é similar (a desculpa é que ninguém entende a letra do falecido).

O fato é que desde o momento em que Mia chega no Texas, Maxwell se mostra emocionado e extremamente feliz. Alem disso, Mia vê algumas semelhanças entre ele e Madison mas não acha que isso seja relevante.

Durante todo a narrativa, Mia visita a empresa e tenta aprender o máximo sobre a história para que possa fingir ser a irmã perdida e assim, evitar que o restante da família Cunningham tenha acesso aos 49% da empresa.

Na minha opinião o volume foi bem ruinzinho visto que é totalmente previsível. A temporalidade continua não sendo bem trabalhada, mas não é algo que vai atrapalhar muito neste volume. O gancho para o volume do mês de setembro foi simples mas completamente plausível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário