segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

A Garota do Calendário: Janeiro - Resenha


O primeiro livro da série A Garota do Calendário nos mostra (desde o título) que os acontecimentos ali narrados aconteceram durante o mês de janeiro. Contudo, a temporalidade da história é um tanto quanto confusa (pelo menos foi para mim).

Nesse primeiro livro vamos conhecer a mocinha e protagonista da história: Mia Saunders.

Mia teve uma vida difícil (literalmente). Sua mãe foi embora quando ela tinha 10 anos e a irmã, Madison (ou Maddy para os íntimos), 5. Seu pai, que era loucamente apaixonado pela mulher que o abandonara, acabou caindo em depressão e nos vícios da bebida e dos jogos de cassino. Desde então, Mia teve que ser mãe, pai e irmã para Madison.

MAS... Mia não tem apenas Madison em sua vida. Mia tem uma amiga louca (quando vocês lerem vão entender) chamada Ginelle (Vagaba Sem-Vergonha para os íntimos) que trabalha de dançarina nos cassinos.

A protagonista da história nos relata que sua vida nunca se envolveu com caras decentes (segundo ela, sorte no amor é uma coisa que sempre faltou). Ela relata algumas de suas experiencias e nos fala de seu relacionamento com Blaine Pintero, um agiota (ela não sabia que ele era agiota embora ele dissesse que trabalhava no ramo de empréstimos) que colocou seu pai em coma por não ter pago a dívida de 1 milhão de dólares.

E ai começa o drama da história que Mia irá viver até o fim da série. Após colocar o pai de Mia em coma, Blaine a procura e avisa que ela deve pagar a dívida do pai para que ela, o pai e a irmã pudessem continuar a viver.

Então, para conseguir ter pelo menos uma chance de viver, Mia despede o agente que "tentava" arranjar papéis para que ela seguisse na carreira de atriz e vai trabalhar com a sra. Milan, que na verdade é a irmã de sua mãe, como acompanhante de luxo. Deste modo, Mia combina com Blaine que a dívida será paga em 12 parcelas de 100 mil dólares (seu salário de acompanhante).

Após conversar com a sra. Milan sobre o contrato e o que consistia o emprego de acompanhante (literalmente acompanhar o cliente no que ele precisar mas não necessariamente dormir com ele) e perceber que ser acompanhante não significa ser prostituta como a maioria das pessoas pensam (embora ela ganhe um bônus de 25 mil dólares caso precise ficar nua ou durma com os clientes), Mia parte para Malibu para conhecer seu primeiro cliente: Weston Charles Channing Terceiro, um roteirista de cinema super famoso.

De início, Mia recusa a limusine que iria buscá-la. Por que? Porque assim como qualquer pessoa normal em seu primeiro dia no trabalho novo, ela esta com medo. Desta forma, Mia pega Suzi - sua moto - e parte para o ponto de encontro: a escadaria que liga o estacionamento à uma praia na costa de Malibu.

Mia irá viver um mês intenso onde o amor pode bater (ou não) à sua porta - O sexo com certeza bate. Ela irá descobrir porque um roteirista famoso apaixonado por surf precisa de uma acompanhante e como em pouco tempo alguém pode se tornar importante para você. Contudo, independente do que vier a acontecer entre eles, Mia vai embora para seguir seu caminho como acompanhante de luxo. Eles irão continuar sendo amigos mas irão seguir sua vida agradecendo pela oportunidade de se conhecerem e torcendo para que seus caminhos possam se cruzar novamente.

O livro é bonzinho. Por que digo isso? Porque o espaço de tempo não é bem definido e faz com que eu me sinta um tanto perdida na história e porque os fatos (e os sentimento) acontecem e se fazem presente com uma velocidade atordoante (talvez esse fato se dê graças ao tempo mal definido).

Na minha opinião, o livro é uma boa leitura para aqueles momentos em que não se tem outra coisa para ler ou quando não se tem nada melhor para fazer. É bem regularzinho e não fez com que eu me conectasse a nenhum dos personagens no decorrer da narrativa. O livro também trouxe algumas incoerências logo de cara e me fez ficar perguntando: "Como?".

Por exemplo:

A Mia, em uma conversa com a sra. Milan, diz que em hipótese alguma vai dormir com seus clientes porque ela não é uma prostituta. Ela disse isso pois ainda não sabia direito sobre a profissão e inclusive porque estava com medo do cliente e da situação nova que estava vivendo.(Até aqui okay!). Contudo, não demora muito para que Mia vá deitar-se com Weston.

Para mim, a situação toda ficou forçada e me criou aquela dúvida: Vou conseguir continuar essa série?

Bom... Eu não sei como, mas eu consegui. E logo vocês terão resenha dos próximos livros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário